O Presidente da Comissão de Segurança Pública do Estado da Paraná, Deputado Mauro Moraes, publicou em seu blog uma notícia que está deixando muita gente contente. Ele fala sobre a necessidade de se realizar um novo concurso com edital ainda em 2017 para a Polícia Militar além das 300 vagas para a Polícia Civil.

“Para garantir a reposição das forças de segurança o governo do Estado precisa realizar pelo menos dois concursos público no segundo semestre de 2017. Do contrário, será preocupante a situação tanto da Civil quanto da PM”

Para quem já sonha com a vaga, não deixe para a última hora! Comece seus estudos o mais rápido possível. O último concurso da Polícia Militar do Paraná teve record de concorrência, por isso é recomendado estar preparado muito antes de sair o edital.

  • COMPRE SUA APOSTILA PMPR 2017 AQUI (COMPRAR)
  • CURSO ONLINE PMPR 2017 (COMPRAR)

Confira a notícia na íntegra do blog do Deputado Mauro Moraes sobre o Concurso para Polícia Militar do Paraná 2017

A falta de efeito na Polícia Civil, sobretudo para a função de escrivão, tem causado grande preocupação em delegacias. Da mesma forma, o número de aposentadorias anuais na Polícia Militar também tem aumentando o déficit no efetivo em praticamente todas as regiões do Estado. “Para garantir a reposição das forças de segurança o governo do Estado precisa realizar pelo menos dois concursos público no segundo semestre de 2017. Do contrário, será preocupante a situação tanto da Civil quanto da PM”, alerta o presidente da Comissão de Segurança Pública da Assembleia Legislativa, deputado Mauro Moraes. 

Um protocolo em tramitação por secretarias de Estado prevê a realização de concurso público para o preenchimento de vagas para o cargo de escrivão de Polícia Civil. A previsão é de que sejam contratados 300 profissionais. Entretanto, o documento caminha lentamente por departamentos e a demanda por escrivães aumenta.

Caso igualmente preocupante é o da Polícia Militar. Cerca de 800 policiais deixam a corporação anualmente, maioria por ter cumprido do tempo mínimo de serviço. De acordo com Moraes, se contratações não forem feitas com regularidades, a tendência será a redução do efetivo. “Isso seria extremamente preocupante para a Segurança Pública do Paraná. É preciso manter um fluxo de inclusão de policiais que seja capaz de pelo menos repor aposentadorias e baixas. Seria o mínimo”, sugere o deputado. 

Já para a função de escrivão, as contratações resolveriam um grave problema enfrentado por praticamente todas as delegacias, a falta de profissionais. “Contamos com o entendimento do governo do Estado para tomar as medidas cabíveis, evitando assim uma redução preocupante das forças de segurança”, diz Moraes.

SEM COMENTÁRIO

DEIXE UMA RESPOSTA